“O Bruno China tem sempre condições para jogar, porque trabalha bem e é íntegro. Desde que não tenha uma lesão está pronto e preparadíssimo para nos ajudar a vencer”, afirmou, em conferência de imprensa.

O técnico revelou ainda que o processo de negociação do passe do “capitão” leixonense já se arrasta “há mês e meio” e que fica “contente” pela valorização do jogador, apesar de perder um dos elementos “mais importantes” do plantel.

Em relação ao desafio de domingo, o treinador admitiu fazer algumas mudanças na equipa: Rúben e Pouga podem assumir a titularidade, em detrimento de Trombetta e Bruno Gallo.

“Todos sabemos que vai ser um jogo difícil, frente a um Marítimo motivado pelo bom resultado com o Benfica (1-1), mas percebemos que temos as nossas armas e algo a ganhar. Pretendo uma equipa concentrada, mais agressiva do que no jogo com o Belenenses (0-0) e a errar menos ao nível do passe”, declarou.

Ainda a respeito da provável saída de Bruno China, o “timoneiro” leixonense considerou-se “o treinador mais experiente da Liga” no que toca a construir novas equipas e revelou alguns aspectos da sua filosofia de trabalho.

“Há três palavras que uso sempre quando me convidam para trabalhar: manutenção, qualidade (do futebol) e valorização (de jogadores). Ao longo dos anos tenho tido competência para isso”, sublinhou.

José Mota confirmou ainda que espera poder fazer alguns “retoques” no plantel até ao final de Agosto, data em que encerra o período de inscrições.

O encontro entre Marítimo e Leixões, da segunda jornada da Liga portuguesa de futebol, está agendado para as 16:00 de domingo, no Estádio dos Barreiros, no Funchal, e será arbitrado pelo setubalense Lucílio Baptista.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.