O FC Porto não se conforma com a arbitragem do Clássico com o Benfica. Os 'azuis e brancos' criticaram duramente a atuação de Jorge Sousa e dos seus assistentes, numa partida que terminou empatada sem golos.

Em comunicado partilhado na newsletter oficial do clube, 'Dragões Diário', o clube portista denuncia aquilo que acredita ser uma das maiores farsas no futebol português.

"O Estádio do Dragão foi ontem palco de uma das maiores farsas de que há memória no futebol português: 48.809 espectadores pagaram bilhete para assistir a uma mentira. O zero zero final do clássico entre FC Porto e Benfica é o resultado de três erros de arbitragem tão graves quanto difíceis de compreender e de aceitar: aos 19 minutos, Jardel pisou Marega na área, mas não foi assinalado penálti; aos 45, Luisão jogou a bola com a mão na mesma área, mas também nem foi assinalado penálti nem lhe foi mostrado o segundo amarelo; aos 57, foi mal invalidado um golo a Herrera, por suposto fora de jogo – na realidade, tanto o mexicano como Aboubakar, outro interveniente na jogada, estavam vários metros em jogo", começa por dizer a mensagem.

"Ao longo dos últimos meses, muitos têm perorado contra o “clima” que se vive no futebol português. Poucos têm dito é que o que destrói o futebol português são situações como as que ontem se viveram no Dragão. O árbitro Jorge Sousa, o videoárbitro Hugo Miguel, os assistentes Álvaro Mesquita e Nuno Manso e o quarto árbitro Gonçalo Martins assumiram o protagonismo de uma partida por cujo resultado são os principais responsáveis. Fosse no Estádio ou através da televisão, milhões de pessoas foram testemunhas de um atentado à verdade desportiva. Nada fere mais qualquer desporto do que a sensação generalizada de que os seus praticantes não atuam livremente nem são julgados de acordo com as regras. E não há imagem manipulada por um qualquer reles vigarista que possa subverter a realidade".

O FC Porto recordou também a partida com o Desportivo das Aves, onde também tinham razões de queixa da arbitragem, e aproveita para atacar as exibições do Benfica na Europa.

"Convém não esquecer que o jogo de ontem surgiu na sequência de uma jornada em que a crítica reconheceu por unanimidade que o FC Porto foi prejudicado numa grande penalidade aos 90 minutos, frente ao Desportivo das Aves. Com verdade desportiva, os Dragões poderiam ter ganho as últimas duas partidas, teriam somado seis pontos em vez de dois e seriam líderes confortavelmente isolados, com quatro pontos de vantagem sobre o Sporting e oito sobre o Benfica - uma equipa, de resto, que se tem revelado incapaz de somar pontos quando é confrontada, na Europa, com arbitragens por norma mais zelosas em relação à execução das leis do jogo. No espaço curto de menos de uma semana, a classificação da Liga foi adulterada por fatores que ultrapassam o controlo dos jogadores e dos treinadores, e que curiosamente beneficiaram os de sempre e prejudicaram os do costume".

Recorde-se que FC Porto e Benfica empataram sem golos no Clássico da 13ª jornada da I Liga. Os 'dragões' continuam a ser líderes, com 33 pontos, os mesmos que o Sporting. Já o Benfica tem 30 pontos e está a três da liderança.

Veja o que os 'dragões' têm a dizer sobre o jogo:

"O Estádio do Dragão foi ontem palco de uma das maiores farsas de que há memória no futebol português: 48.809 espectadores pagaram bilhete para assistir a uma mentira. O zero zero final do clássico entre FC Porto e Benfica é o resultado de três erros de arbitragem tão graves quanto difíceis de compreender e de aceitar: aos 19 minutos, Jardel pisou Marega na área, mas não foi assinalado penálti; aos 45, Luisão jogou a bola com a mão na mesma área, mas também nem foi assinalado penálti nem lhe foi mostrado o segundo amarelo; aos 57, foi mal invalidado um golo a Herrera, por suposto fora de jogo – na realidade, tanto o mexicano como Aboubakar, outro interveniente na jogada, estavam vários metros em jogo.

Ao longo dos últimos meses, muitos têm perorado contra o “clima” que se vive no futebol português. Poucos têm dito é que o que destrói o futebol português são situações como as que ontem se viveram no Dragão. O árbitro Jorge Sousa, o videoárbitro Hugo Miguel, os assistentes Álvaro Mesquita e Nuno Manso e o quarto árbitro Gonçalo Martins assumiram o protagonismo de uma partida por cujo resultado são os principais responsáveis. Fosse no Estádio ou através da televisão, milhões de pessoas foram testemunhas de um atentado à verdade desportiva. Nada fere mais qualquer desporto do que a sensação generalizada de que os seus praticantes não atuam livremente nem são julgados de acordo com as regras. E não há imagem manipulada por um qualquer reles vigarista que possa subverter a realidade.

Convém não esquecer que o jogo de ontem surgiu na sequência de uma jornada em que a crítica reconheceu por unanimidade que o FC Porto foi prejudicado numa grande penalidade aos 90 minutos, frente ao Desportivo das Aves. Com verdade desportiva, os Dragões poderiam ter ganho as últimas duas partidas, teriam somado seis pontos em vez de dois e seriam líderes confortavelmente isolados, com quatro pontos de vantagem sobre o Sporting e oito sobre o Benfica - uma equipa, de resto, que se tem revelado incapaz de somar pontos quando é confrontada, na Europa, com arbitragens por norma mais zelosas em relação à execução das leis do jogo. No espaço curto de menos de uma semana, a classificação da Liga foi adulterada por fatores que ultrapassam o controlo dos jogadores e dos treinadores, e que curiosamente beneficiaram os de sempre e prejudicaram os do costume.

Para além dos casos de arbitragem, a história do jogo é fácil de contar. O Benfica entrou forte, mas a partir do momento em que o FC Porto assumiu o domínio da partida, sensivelmente a meio da primeira parte, só deu azul e branco. Para além de terem marcado um golo limpo, os Dragões criaram várias oportunidades, mas não foram eficazes. Não deixaram de mostrar, contudo, que o primeiro lugar que ocupam desde que arrancou o Campeonato é resultado de um trabalho honesto, sério, duro e de muita qualidade.

Como não podia deixar de ser, Sérgio Conceição sublinhou a influência da arbitragem no desfecho deste jogo: “Não podemos aceitar semanalmente lances mal analisados por parte da equipa da arbitragem e do VAR. Têm que me dizer de uma vez por todas o porquê. O lance do golo mal anulado até percebo, porque o vídeoárbitro não pode intervir depois do auxiliar levantar a bandeirola, mas o do penálti é claríssimo…E eu pergunto o porquê de não se analisar. Neste momento tenho um balneário destroçado e eu pergunto: porquê? Obviamente que poderíamos ter mais eficácia”. O técnico azul e branco não deixa de mostrar confiança absoluta no trabalho da sua equipa: “Tenho que dar uma palavra forte ao meu balneário e dizer-lhes que tenho a plena convicção que tinha há duas semanas, há uma semana ou há um dia que nós somos sérios candidatos a ser campeões. Contra tudo e contra todos”.

Héctor Herrera, a quem foi anulado um golo limpo, lamentou a falta de eficácia da equipa, que apenas conseguiu concretizar uma das inúmeras ocasiões criadas: “Creio que infelizmente não pudemos concretizar as ocasiões. Talvez pudéssemos ter tido um pouco mais de paciência na hora de decidir e conseguir ocasiões mais claras”. O capitão do FC Porto também se mostra confiante no futuro: “Teremos de continuar a trabalhar como fizemos hoje. Falta muito campeonato e temos de olhar em frente. Podemos chegar ao objetivo”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.