O novo treinador do Tondela, o espanhol Pako Ayestarán, disse hoje na sua apresentação oficial que não quer que o clube chegue às últimas jornadas da I Liga de futebol a sofrer tanto.

“Como atletas queremos melhorar em relação à época anterior, é o nosso objetivo. Nas duas últimas épocas a equipa salvou-se na última jornada, então o objetivo é não sofrer tanto”, admitiu.

Pako Ayestarán falava aos jornalistas na sua apresentação oficial do novo técnico principal do Tondela, no qual sucede ao compatriota Natxo González, que deixou o clube beirão no principal escalão do futebol nacional, ao terminar o campeonato no 14.º lugar.

O espanhol assumiu que “vive o futebol com muita paixão”, aos adeptos prometeu que vai “tentar dar o melhor enquanto pessoa e treinador” e, nesse sentido, assumiu que a sua obrigação “é tirar o melhor dos jogadores”.

Ao futuro plantel, Ayestarán deixou o aviso de que pretende que a “equipa tenha iniciativa, seja proativa” e considerou que “o mais importante é ver quais são os jogadores, quais as suas capacidades para obter o melhor das suas qualidades”.

Apesar de recusar a falar dos reforços pretendidos para a época 2020/21, Pako Ayestarán considerou que “este mercado vai ser muito difícil”, mas também defendeu que “vai haver muitas possibilidades”.

“Há muitos jogadores, há muitos clubes que precisam de libertar o número de licenças que têm e nós vamos aproveitar esse mercado e tratar de incorporar os jogadores que consideramos que se podem adaptar melhor ao que pretendemos”, defendeu.

O espanhol admitiu que “é mais fácil” o técnico se adaptar aos jogadores que o Tondela tem do que o contrário, porque “é muito importante conhecer de que é que eles são capazes de fazer e onde é que estão à vontade”.

Depois de o diretor desportivo do Tondela, Luís Agostinho, ter elogiado o currículo de Pako Ayestarán, o treinador admitiu que “o currículo não é importante” até porque, no seu entender, “se o trabalho não está ao nível ou os resultados não são os adequados, o currículo não serve de nada”.

Luís Agostinho assumiu que Pako Ayestarán “é um treinador com uma larga experiência no futebol, tem décadas de futebol, nos mais diversos países, em vários contextos, ao mais alto nível”.

“É aquilo a que eu chamo de um treinador com mundo o que poderá ser muito importante em termos do crescimento e da consolidação do Tondela na primeira divisão. (...) Falam muito que o Tondela é um clube de uma cidade pequena, mas o Tondela vai para a sexta época na primeira divisão, começa a ter o estatuto de equipa de primeira divisão”, defendeu.

Natural de Beasáin, no País Basco, o técnico espanhol, de 57 anos, assinou com o Tondela até junho de 2021 e é a segunda vez que está no futebol português, uma vez que trabalhou em 2008/09 no Benfica, na equipa técnica de Quique Flores, e durante 11 anos fez parte da equipa técnica de Rafa Benitez.

Como treinador principal, Pako Ayestarán passou por Valência e Las Palmas, ambos na La Liga espanhola, pelo futebol mexicano, no Santos Laguna, Estudiantes Tecos e Pachuca, e pelo Maccabi de Telavive, onde foi campeão israelita, tendo ainda conquistado na mesma época a Taça e a Taça da Liga.

Joshe Viela completa a equipa técnica tondelense, que mantém o treinador de guarda-redes Pedro Taborda e Ricardo Alves, responsável pela observação e análise.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.