Jaime Marta Soares, presidente demissionário da Mesa da Assembleia Geral (MAG) do Sporting enumerou, esta quarta-feira, os argumentos que, para o órgão, fundamentam a justa causa para a revogação,por justa causa, do mandato de Bruno de Carvalho e dos restantes membros do Conselho Diretivo do clube.

Jaime Marta Soares refere os conflitos com a equipa de futebol, com Bruno de Carvalho a rotular os jogadores de "crianças mimadas", com uma "atuação belicista" começando pelas críticas de Bruno de Carvalho aos jogadores e citando expressões como "crianças mimadas". É apontada uma "atuação belicista" do presidente, bem como a sua ausência na esquadra do Montijo quando os jogadores prestaram declarações após a invasão de Alcochete. O impacto das recentes rescisões também é salientado.

Entre os fundamentos que "consubstanciam a justa causa para a revogação de mandato" estão "conflitos com a equipa de futebol sénior", "conflitos com os órgãos sociais, sócios e terceiros", "comportamentos violadores dos estatutos e da lei".

Jaime Marta Soares recupera as críticas de Bruno de Carvalho no Facebook à atuação dos jogadores, a 5 de abril, depois do jogo com o Atlético Madrid. "O Presidente do Conselho Directivo, com tais críticas, pôs em causa o brio profissional, atitude e dedicação de todos os jogadores, depreciando o valor de mercado dos mesmos", pode ler-se.

"Após reacção concertada de todos os jogadores da Equipa, defendendo a sua honra e repudiando as críticas, o Conselho Directivo, pela voz do seu Presidente, insultou os jogadores da Equipa, chamando-lhes "meninos amuados", "meninos mimados" e "crianças mimadas"", refere ainda o presidente demissionário da MAG do Sporting.

Os eventos no Aeroporto do Funchal e, depois, em Alcochete, também estão entre os pontos destacados: "Tanto a actuação belicista do Presidente do Conselho Directivo, como a ausência de qualquer reparo, crítica ou condenação veementes às actuações das claques manteve um nível de ameaça sobre os jogadores e de impunidade de actos de violência das claques totalmente inaceitáveis num clube com os princípios e valores do Sporting Clube de Portugal."

Por outro lado, também são recuperadas as expressões usadas contra os sócios e adeptos do Sporting que Bruno de Carvalho apelidou de "sportingados", "ratos" e "ovelhas", assim como a troca de palavras com agentes da comunicação social e do mundo do futebol que enquadram uma "postura manifestamente agressiva".

Marta Soares refere igualmente que "o Conselho Directivo nomeou, de forma ilegítima, ilegal e em violação dos estatutos do Sporting Clube de Portugal uma Comissão Transitória da Mesa da Assembleia Geral", bem como uma Comissão de Fiscalização, não esquecendo o episódio da polémica ata tornada pública.

Por tudo isto, a MAG conclui que "o Conselho Diretivo tem vindo a delapidar de forma insustentável e teme-se que irreversível o património material e imaterial do Sporting Clube de Portugal".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.