Sérgio Oliveira conseguiu deixar as lesões para trás e recuperar a titularidade naquela que, coincidência ou não, foi também a melhor fase portista da temporada antes da paragem forçada pela pandemia de Covid-19.

“Uma época positiva, ao contrário do que muitos tentaram fazer passar. Mas nós estamos habituados a ser uma catástrofe quando o FC Porto está num momento menos bom... Isso é sinal de que habituamos os outros a verem-nos bem e já temos arcaboiço para ouvir de tudo. Felizmente, nesta época foram mais os momentos positivos do que os negativos. E temos que valorizar a nossa capacidade de dar a volta à pontuação. Falta ainda terminar o campeonato, por isso temos de continuar com o nosso trabalho, humildade e ambição intactas. Estamos ansiosos por que tudo isto passe, por causa da saúde pública e para podermos voltar ao nosso estádio e lutar até ao fim, como eu venho a dizer, pelos nossos objetivos”, disse Sérgio Oliveira em entrevista ao jornal O Jogo, publicada esta sexta-feira.

O FC Porto subiu à liderança, com um ponto de vantagem sobre o Benfica, mas isso não fez surpreender o jogador portista.

“Surpreendeu? A nós não! Zero. Não era porque estávamos a sete pontos do líder [Benfica] que iríamos atirar a toalha ao chão, nem é agora que estamos em primeiros que vamos baixar a guarda. O mister e nós, jogadores, sempre acreditámos que éramos capazes. Acerca da explicação... Existe uma e chama-se trabalho. Somos um grupo forte e vamos manter-nos juntos até ao fim”, referiu, lembrando que é o jogador do FC Porto com mais anos de casa.

“Espero realmente um dia vir a ser reconhecido como um símbolo do clube. O que eu sinto é um grande orgulho por poder estar neste clube desde os meus nove anos, por já ter ganho títulos e por continuar ajudar nesse sentido”, rematou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.