O defesa Nuno Santos disse esta sexta-feira que os jogadores do Paços de Ferreira têm de ser «guerreiros» no domingo frente a um Benfica «motivado» pela vitória europeia e ainda dentro do objetivo de vencer a Liga de futebol.

«Como ganharam ao Zenit (2-0 para a Liga dos Campeões), vêm moralizados e não estão fora do objetivo deles de serem campeões nacionais, mas nós também temos uma palavra a dizer. E, como jogadores à Paços, temos de ser guerreiros», disse Nuno Santos, na antevisão ao jogo da 22.ª jornada da Liga de futebol.

O esquerdino vai defrontar pela segunda vez o Benfica e nos dois casos a jogar à direita. Agora está adaptado a defesa direito, depois de na estreia, na última época, ter alinhado na Luz como extremo direito.

«Fiz a estreia a titular na Luz e, apesar do resultado (derrota por 2-0), fiz um dos meus melhores jogos. Só espero que, em termos pessoais, corra bem como o primeiro», sublinhou, garantindo que a adaptação também tem as suas virtudes.

Nuno Santos diz sentir-se «um esquerdino nato» e, por isso, é «um conhecedor das tendências» de quem joga preferencialmente de pé esquerdo, como aqueles que provavelmente irá defrontar no domingo, tanto «os movimentos em diagonais» como a tendência de «puxar a bola para dentro».

«Acho que me tenho ambientado bem à posição, e, contra o Gil Vicente, penso que cumpri bem. Aliás, não há grandes diferenças e, com os treinos, começamos a assimilar o que deve ser feito», acrescentou.

Para o camisola 17 da formação nortenha, «é preciso acreditar que é este ano» que o Paços de Ferreira vence o Benfica, o que na Mata Real já não acontece desde 2005/2006, e deu o exemplo da vitória do Sporting frente ao favorito Manchester City, na quinta-feira, para a Liga Europa (1-0), para dizer que «tudo é possível».

«O Benfica tem grandes jogadores e de muita qualidade, mas, para mim, o seu grande trunfo é a boa dinâmica coletiva», afirmou Nuno Santos, considerando «importante não sofrer um golo cedo» para «criar intranquilidade no Benfica».

Em relação à luta a três pelo título, envolvendo o líder FC Porto e os perseguidores Benfica e Sporting de Braga, equipas que visitarão a Mata Real, Nuno Santos disse apenas que «as três equipas estão bem», prevendo que «vai ser um campeonato competitivo até ao fim».

No treino de hoje, o penúltimo antes do confronto com o Benfica, Ozéia e Javier Cohene já realizaram alguns exercícios com bola, mas devem continuar fora das opções do técnico Henrique Calisto, numa lista de indisponíveis extensiva a Tony.

O Paços de Ferreira, 12.º classificado com 21 pontos, defronta o Benfica, segundo com 49, pelas 18h15 de domingo, num jogo arbitrado por Bruno Esteves, de Setúbal.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.