O presidente do Clube Desportivo Santa Clara disse que "não foi cumprida uma linha" do Plano de Insolvência, que tem como executor o anterior presidente do clube, e adiantou que vai pedir esclarecimentos ao administrador.

"Neste momento podemos verificar que o plano não está a ser cumprido. Quanto aos valores, gostaríamos de manter aqui algum sigilo porque se trata de assunto que foi tratado em sede própria, não queremos promover nenhum tipo de instabilidade do ponto de vista financeiro nem social", afirmou Rui Cordeiro no final da primeira assembleia-geral do clube após a eleição da nova direção do clube, esta noite, em Ponta Delgada.

Segundo os últimos dados vindos a público, a dívida do clube ascende a sete milhões de euros, sendo o Banif um dos maiores credores do mesmo, com uma dívida na ordem dos cinco milhões de euros.

"Vamos requerer ao administrador de insolvência o cabal esclarecimento sobre o integral cumprimento do plano de insolvência do Clube Desportivo Santa Clara porque nós temos o direito de saber o ponto de situação em que está o plano de insolvência e já no decorrer desta semana vamos enviar um requerimento ao dr. Manuel Bacalhau para que nos esclareça acerca do estado de cumprimento do plano", afirmou o presidente.

Além das dificuldades financeiras do clube a longo prazo, Rui Cordeiro diz que a atual administração está a "tentar arranjar investimento para fazer face às necessidades imediatas" e para pagar dívidas da "anterior administração".

"Neste momento a SAD está com dívidas a fornecedores, de alimentação, de alojamento, de agências de viagens, à segurança social, ao fisco. Estamos a falar de cerca de 150, 200 mil euros em dívidas que herdámos", avançou.

A formação açoriana tem vivido momentos conturbados depois de Mário Batista ter sido destituído da presidência da SAD, na mesma assembleia-geral que elegeu Rui Cordeiro para a presidência da SAD "encarnada" e que levou Mário Batista a recorrer a tribunal alegando "ilegalidade" no processo.

"Neste momento o conselho de administração legitimamente eleito é o conselho de administração que consta da certidão do registo comercial. Perante a Liga de Clubes temos as candidaturas aceites. Os nossos parceiros institucionais como a SATA, a Direção Regional do Desporto, entendem-nos como os legítimos representantes da Santa Clara Acores SAD", acrescentou Rui Cordeiro.

O atual presidente do Clube e da SAD do Santa Clara garantiu "não ter receio" da decisão do Tribunal quanto à providência cautelar interposta por Mário Batista que poderá anular a destituição da anterior administração da SAD.

"Quando avançamos para algo, temos de avançar com determinação e esta determinação implica que tenhamos de saber acatar as consequências dos nossos atos. O que posso dizer é que estamos de consciência tranquila do que estamos a fazer, estamos a devolver o Santa Clara aos sócios", atestou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.