A seleção cabo-verdiana perdeu no estádio da várzea com a sua similar da Tunísia por 1-2 em jogo de apuramento ao Mundial de 2014. Saber Khelifa aos 13´ e Temma Hissam aos 46´ marcaram pela Tunísia e Odair Fortes, aos 25´, para Cabo Verde.

Numa partida em que se esperava uma vitória dos Tubarões Azuis as sucessivas falhas defensivas penalizaram o combinado crioulo. Aos 3 minutos reclamou-se grande penalidade por suposta mão na bola na área da Tunísia, mas o árbitro entendeu que não houve falta.

Em lances de bola parada, a selecção cabo-verdiana ia causando perigo junto às redes do guardião tunisino. Por duas vezes, primeiro Nando e depois Varela, não conseguiram fazer  o cabeceamento, acabando os lances por ser resolvidos pela defensiva tunisina.

Aos 12 minutos Zé Luís tem um falhanço incrível na cara de Aymen Mathlouthi. Canto curto entre Babanco Heldon, que cruza para a grande área onde aparece Zé Luís a cortar a bola que ia para a baliza, fazendo de defesa central da equipa contrária.

Numa joga de contra- ataque e perante a desatenção na defensiva cabo-verdiana, aos 19 minutos, surgiu o primeiro golo da seleção tunisina por intermédio de Saber Khelifa, numa altura em que os tubarões Azuis atacavam mais que a seleção contrária. O golo veio desconcentrar o combinado crioulo que passou a ter que arriscar mais no ataque, com lançamentos longos à procura do avançado Odair Fortes e Heldon. Faltava soluções para a condução de jogo e ligação entre os médios e os avançados.

No decorrer da primeira parte, o próprio Odair Fortes podia ter marcado, à passagem dos 23 minutos, mas o remate saiu fraco e ao lado da baliza de Aymen Mathlouthi. Mas aos 25 minutos, o mesmo jogador viria a redimir-se do falhanço anterior ao marcar um grande golo com algumas culpas para o guardião tunisino.

A jogada surgiu de mais um lançamento longo para o avançado Odair Fortes que conseguiu ultrapassar Aymen Mathlouth, e junto a linha de fundo, rematou em arco para o fundo das redes, restabelecendo o empate. Um golo de excelente execução técnica.

As Águias do Cartago nesta altura jogavam mais na defensiva, deixando a iniciativa de jogo aos Tubarões Azuis, que não conseguiam traduzir as oportunidades criadas em golos. A fechar a primeira parte, Babanco dispôs de um livre a entrada da grande área, mas que não deu em nada para a seleção nacional cabo-verdiana.

No início da segunda parte, mais um erro na defensiva cabo-verdiana e mais um golo para a Tunísia. Temma Hissam aproveitou da melhor forma o adiantamento do defesa Stopira, para perante Ernesto, marcar o segundo da sua seleção aos 46 minutos.

Os "Tubarões Azuis" entravam na sua pior fase e aos 53 minutos Temma Hissam podia ter marcado novamente, mas o remate saiu ligeiramente ao lado da baliza de Ernesto, em nova falha na cortina defensiva cabo-verdiana.

Numa altura em que a seleção cabo-verdiana jogava mal, o selecionador, Lúcio Antunes fez entrar Ryan para o lugar de Heldon, meio apagado na partida, para dar um novo fôlego ao ataque. E, com a entrada de Ryan, os Tubarões Azuis passaram a ter mais circulação de bola no meio campo e no ataque, com algumas boas combinações. Insatisfeito com o rendimento dos seus jogadores, Lúcio Antunes, fez entrar ainda Djaniny para o lugar de Odair Fortes, autor do único golo da selecção nacional, e Platini para o lugar de Marco Soares. Eram as apostas do de Lúcio Antunes para inverter o resultado negativo da seleção crioula.

Com as mexidas táticas, os Tubarões Azuis passaram a dispor de mais situações de perigo junto à baliza tunisina, mas sem nunca conseguirem traduzir as oportunidades em golos. Djaniny podia ter feito o empate aos 63 minutos, mas o remate sai a figura de Aymen Mathlouth. Com várias oportunidades de golo falhadas e com as substituições esgotadas, escasseavam as soluções para o treinador nacional Lúcio Antunes.

Ao marcar o segundo golo, a seleção tunisina passou a controlar mais a partida, gerindo o resultado perante uma seleção de Cabo Verde sem soluções atacantes e sem ideias. Aos 83 minutos nova oportunidade para Saber Khelifa que ultrapassou a defensiva nacional e rematou para defesa apertada para canto de Ernesto. Na resposta Zé Luís teve nos pés o golo do empate, após passe atrasado de Djaniny e na cara de Aymen Mathlouth, remata fraco permitindo a defesa.

Com o passar dos minutos e com os nervos a flor da pele, era visível a desconcentração dos jogadores de Cabo Verde, onde faltava discernimento nos momentos de finalização. Ernesto por diversas vezes evitou o terceiro golo da seleção tunisina, que em jogadas de contra-ataque ia surpreendendo a defensiva crioula, o sector que apresentava mais fragilidades no jogo.

Esta é a segunda derrota consecutiva da seleção cabo-verdiana, em jogos da qualificação para o mundial de 2014, que se realizará no Brasil. O próximo jogo é contra a Guiné Equatorial, no dia 22 de março de 2013. 

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.

Ajude-nos a melhorar o SAPO Desporto