Em entrevista, esta terça-feira, ao programa Trio d’Ataque, na RTPN, Carlos Queiroz lembrou que a equipa comanda por Miroslav Blazevic marcou 25 golos em 10 jogos e portanto um instinto matador no ataque.

O adversário de Portugal no Play-Off de acesso à fase final do Mundial 2010 já foi “devidamente estudada” mas avisou para a força desta formação: "Pode ganhar um jogo apenas com três jogadores, dois jogadores ou até com um na frente", acrescentando que não encontra deficiências na selecção onde há jogadores tão poderosos como Misimovic e Dzeko, deixando de parte a ideia que algumas pessoas conceberam sobre esta selecção menos habituada aos grandes palcos.

Queiroz conhece a palavra “pressão” e sabe que a Selecção Nacional tem a “obrigação teórica” de obter passaporte para a África do Sul, no próximo ano. Mas o técnico responsável pela formação lusa também não pode descartar a palavra “cautela”, até porque os bósnios jogam primeiro fora de casa e podem aproveitar-se das vantagens do “factor casa” na segunda mão deste decisivo Play-off.

Portugal recebe primeiro a Bósnia-Herzegovina, a 14 de Novembro no Estádio da Luz e depois, a 18 de Novembro, desloca-se a Zenica para disputar o derradeiro encontro que ditará a passagem para a fase final do Mundial 2010, na África do Sul.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.