Cristiano Ronaldo terá violado o protocolo italiano contra a COVID-19. Pelo menos é o que afirma o ministro italiano do desporto Vincenzo Spadafora quando questionado sobre o caso do capitão da Seleção Nacional e jogador da Juventus.

"Sim, penso que sim, se não tiver existido uma autorização específica das autoridades sanitárias", afirmou em  declarações à Rádio Uno, citadas pelo 'La Stampa'.

De recordar que a Juventus na última quinta-feira, quando confirmou o regresso de Ronaldo a Itália. No comunicado a 'vecchia signora' afirmou que o português regresso a Turim "num voo médico autorizado pelas autoridades sanitárias competentes".

Cristiano Ronaldo testou positivo ao novo coronavírus na noite de segunda-feira, tendo ficado em isolamento na Cidade do Futebol, em Oeiras, antes de partir ao início da tarde num avião privado rumo a Turim.

Já na última quarta-feira, a Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, garantiu que não foi aberta qualquer exceção para que fosse permitido a CR7 regressar a Itália.

"Aplicou-se a Ronaldo o que se aplica a qualquer jogador. Já houve dois casos que regressaram a França onde tinham domicílio [José Fonte e Anthony Lopes], agora este jogador regressa a Itália, onde tem domicílio. O transporte em condições de segurança fica a cargo da pessoa doente, depois de avaliado por autoridade de saúde. Tem, por exemplo, de assinar uma declaração em como tem compromisso de que vai cumprir o confinamento – é um termo de responsabilidade", explicou.

*Artigo corrigido às 17h00

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.