O selecionador português de andebol, Paulo Pereira, assumiu-se esta quinta-feira sem medo de apresentar expectativas elevadas para o regresso da seleção lusa à fase final de Europeus, em janeiro de 2020.

“Temos expectativas elevadas e não temos medo delas, embora todos saibamos que o sofrimento é maior quando as expectativas são exageradas e as coisas não correm bem. Temos de ser valentes e fazer com que essa expectativa seja positiva para nós e, depois, teremos o resultado que merecemos”, afirmou o técnico nacional.

A seleção portuguesa iniciou o estágio final de preparação para o campeonato da Europa, no qual vai defrontar, no Grupo D, a França, medalha de bronze no Mundial de 2019, a estreante Bósnia-Herzegovina e a anfitriã Noruega, finalista no último campeonato do mundo.

“A primeira meta, que já tínhamos antes do sorteio, é passar a primeira fase [qualificam-se os dos primeiros de cada grupo]. Depois, conseguir melhorar o melhor resultado em Europeus, que foi o sétimo lugar obtido em 2000, na Croácia. Sabemos que é muito difícil, mas acredito que podemos fazer algo interessante”, acrescentou Paulo Pereira.

A equipa das ‘quinas’ concentrou-se hoje em Rio Maior, onde vai preparar até segunda-feira a sexta presença na fase final da competição continental, 14 anos depois da última, tendo recebido a visita do lateral esquerdo Gilberto Duarte, dos franceses do Montpellier, que vai ficar de fora devido a lesão.

“Sinto que toda a gente chega com um brilhozinho nos olhos, contentes e com orgulho em representar Portugal, e o Gilberto não é exceção. Ele hoje estava triste, porque pelo que fez pela seleção não merecia estar de fora, mas temos de pensar em alternativas e em jogadores mais jovens que possam dar o seu contributo”, vaticinou o selecionador.

Paulo Pereira reiterou o empenho no trabalho, no treino e na preparação da equipa, tendo em vista os três primeiros jogos do Europeu, que vão ser disputados na cidade norueguesa de Trondheim, a fim colher resultados positivos.

“Vamos ter de encontrar um ponto de equilíbrio entre a euforia, de irmos ao Europeu, e a razão, o compromisso e a concentração, para a aplicação do modelo e do plano para os jogos. Não estou ansioso, perdemos tempo se nos centrarmos no resultado, porque temos o que merecemos, pelo que temos de pensar no nosso trabalho”, frisou.

O também lateral esquerdo Alexandre Cavalcanti apenas vai integrar os trabalhos da seleção no sábado, após recuperar de uma síndrome gripal, perfazendo os 21 convocados para o estágio, dos quais três vão ser excluídos da seleção final.

“São os jogadores que me vão dizer”, ironizou Paulo Pereira, para, depois, admitir que “vai ser um pouco difícil” fazer esta escolha.

Portugal estreia-se no Europeu em 10 de janeiro, frente à França, defronta dois dias depois a Bósnia-Herzegovina e encerra o Grupo D em 14, perante a anfitriã Noruega.

O campeonato da Europa vai ser disputado entre 09 e 26 de janeiro de 2020, na Noruega, Áustria e Suécia.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.