A Oliveirense venceu hoje o Benfica por 87-82, após prolongamento, no terceiro jogo da final do campeonato nacional de basquetebol, e recuperou o fator casa, colocando-se a ganhar por 2-1 na decisão do título.

Os campeões nacionais deram perante os 'encarnados' uma resposta de grande nível ao desaire no jogo anterior em Oliveira de Azeméis e podem agora 'selar' na segunda-feira a conquista do bicampeonato ao quarto embate da final.

Uma total ausência de eficácia marcou o arranque do encontro no Pavilhão Fidelidade, na Luz. Seria a Oliveirense a primeira a despertar da letargia dos minutos iniciais, construindo um parcial de 6-0 a abrir o marcador. Para o Benfica, os primeiros pontos chegaram somente em lances livres, por Mickell Gladness, já quase a meio do primeiro período.

A equipa orientada por Carlos Lisboa não conseguia encontrar o caminho do cesto e a Oliveirense respondia com uma maior organização e agressividade. E a vantagem pontual ficava a cargo de James Ellisor, que assumia o protagonismo entre os nortenhos. Assim, um triplo de Travante selou em 12-17 o primeiro período.

Com a passagem ao segundo quarto, os papéis inverteram-se: os campeões nacionais foram menos intensos e abriram espaços que os anfitriões aproveitaram, aumentando também os índices de acerto. A aproximação tornou-se uma realidade, mas conheceu novo fosso de oito pontos antes de se transformar em ultrapassagem. Com 1.36 minutos por jogar, os 'encarnados' passaram pela primeira vez para a frente (32-30) e asseguraram a liderança ao intervalo (34-32).

A pausa para o descanso acabou por se revelar negativa para as duas equipas. Sem eficácia e com pouca inspiração no campo, era a qualidade do encontro que se ressentia. Apenas Micah Downs, pelo Benfica, e Travante Williams, pela Oliveirense, escapavam à mediania nesta fase, mantendo em níveis aceitáveis as percentagens de sucesso.

Seria mesmo o norte-americano do Benfica a carregar a equipa com os seus pontos, assinando um total de 32. Contudo, a formação comandada por Norberto Alves não se rendia e fazia da abnegação e capacidade física virtudes essenciais para se manter em jogo. Foi então que Coleman surgiu em destaque na Oliveirense, somando pontos atrás de pontos até que a reviravolta se consumou no derradeiro minuto, graças a dois lances livres de Thaey. Só que o Benfica ainda reagiu a tempo e forçou o prolongamento (71-71).

Os 'encarnados' voltaram a entrar melhor e construíram rapidamente uma vantagem de sete pontos (78-71). Subitamente, apesar do apoio dos adeptos, a equipa de Carlos Lisboa 'apagou-se', forçou em demasia o jogo exterior, sem sucesso, e não mais se reencontrou, consentindo nova e, desta vez, definitiva reviravolta no encontro.

Os campeões não enjeitaram a 'oferta', rentabilizaram o jogo interior com José Barbosa (16 pontos) e Eric Coleman (19) e consumaram o triunfo por 87-82, ficando agora a uma vitória do bicampeonato. O quarto jogo da final da liga portuguesa de basquetebol está marcado para a próxima segunda-feira.

Jogo realizado no Pavilhão Fidelidade, na Luz, em Lisboa.

Benfica - Oliveirense: 82-87 (após prolongamento).

Ao intervalo: 34-32.

No final do tempo regulamentar: 71-71.

Sob arbitragem de Sérgio Silva, Pedro Coelho e Pedro Rodrigues, as equipas alinharam e marcaram:

- Benfica (82): Micah Downs (32), Juan Cantero (4), Fábio Lima (9), Arnette Hallman (11) e Mickel Gladness (6). Jogaram ainda: Alejandro Suarez (5), José Silva, Rafael Lisboa, Jacques Conceição, Tomás Barroso (10) e Miguel Cardoso (5).

Treinador: Carlos Lisboa.

- Oliveirense (87): Travante Williams (16), Eric Coleman (19), José Barbosa (16), Thomas Thaey (12) e James Ellisor (18). Jogaram ainda: João Balseiro, André Bessa (1), Marco Loncovic (5), João Guerreiro.

Treinador: Norberto Alves.

Marcha do marcador: 12-17; 34-32; 47-45; 71-71; 82-87.

Assistência: Cerca de 2.000 espetadores

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.