O Sporting não vai recorrer da decisão tomada pelo Tribunal Arbitral do Desporto que confirmou o castigo de quatro jogos à porta fechada aplicados pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol por insultos homofóbicos proferidos pelos adeptos em jogos realizados no Pavilhão João Rocha em outubro de 2018.

Em comunicado publicado no site oficial, os leões reforçam que são "veementemente contra qualquer tipo de comportamento homofóbico, xenófobo, racista, insultuoso ou de qualquer natureza discriminatória ou violenta", realçando ainda o carater histórico da decisão que nunca tinha sido aplicada a "situações idênticas, similares ou mais graves".

O emblema de Alvalade afirma que não irá recorrer da decisão, aceitando-a, mas ficando atento a decisões futuras.

"O Sporting Clube de Portugal acatará a decisão, mas ficará assim atento, acompanhando com zelo as futuras decisões que venham a ser tomadas em situações da mesma natureza", lê-se.

Os leões pedem ainda que o Conselho de Disciplina passe a atuar com relação a outros cânticos que aludem a "a comportamentos ilegais e violentos que celebram a morte de um adepto do Sporting CP, facto que nos parece a nós de maior relevância e gravidade".

"Estaremos de olhos abertos para que a Justiça permaneça, como deve, cega", concluem.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.