A aposta dos treinadores das equipas principais em jovens da formação começa a ser uma realidade cada vez mais evidente em Portugal. Depois de muitos anos em que a integração de juventude com os mais velhos parecia quase como um mito, tudo mudou graças à valorização por parte dos clubes daquela que é, em muitos casos, uma autêntica mina de ouro para as equipas sem muitos recursos.

O Sporting foi o pioneiro na integração de muitos jovens da Academia de Alcochete na equipa principal, mas agora é o Benfica que melhor alia a combinação entre a experiência e a juventude. O título de campeão nacional conquistado na época passada pelos encarnados mostra o quão importante um jovem da formação pode ser na equipa que representa. Que o diga João Félix que depois de uma temporada de luxo no clube da Luz rumou ao Atlético de Madrid.

Mas esta crescente aposta dos clubes portugueses nos jovens das respectivas academias vai ao encontro do sucesso que as seleções mais jovens de Portugal têm tido por esse mundo fora. Jogadores campeões da Europa sub-17 e sub-19 começam agora a impor-se juntos dos mais velhos e muitas vezes ganham-lhes a titularidade. O trabalho realizado pela Federação Portuguesa de Futebol nos últimos anos têm dado frutos e o jogador jovem português é cada vez mais reconhecido internacionalmente.

Benfica campeão com base na formação

Olhemos agora com atenção para os que os principais clubes portugueses têm feito no que toca a este assunto. Comecemos pelo Benfica, que no ano passado celebrou o título de campeão nacional com nada mesmo do que cinco jovens da formação. Ao já referido João Félix, juntam-se Florentino Luís, Gedson Fernandes, Ferro e Jota.

Os clubes mais gastadores deste mercado de transferências
João Félix foi o reforço mais caro do Atlético de Madrid, tendo custado 126 milhões de euros créditos: SAPO Desporto

A entrada de Rui Vitória no clube da Luz marcou uma mudança no que à aposta nos jovens diz respeito. O técnico, que agora treina o Al-Nassr da Arábia Saudita, foi quem lançou Félix na primeira equipa do Benfica e apostou em Gedson Fernandes a titular. Mas a chegada de Bruno Lage, homem com muitos anos de experiência nos escalões mais jovens das águias, reforçou este paradigma. O técnico setubalense reforçou a aposta em João Félix e lançou mais três jovens na equipa principal: Florentino Luís, Ferro e Jota.

Esta temporada Bruno Lage manteve a toada e a pré-época dos encarnados ficou marcada pela presença de muitos jovens formados no Seixal. Enquanto uns ficaram a evoluir nas equipas B e sub-23, outros tiveram a oportunidade de se manter na equipa principal e estrear-se com a camisola do clube que os formou. É o caso de Nuno Tavares. O jovem lateral esquerdo jogou o início da temporada no lado direito da defesa encarnada dada a falta de opções de Bruno Lage para essa posição. A este juntou-se outro Tavares, mas desta feita o Tomás. O jovem de 18 anos começou a época na equipa B, mas foi promovido à equipa principal e já se estreou, inclusive, na Liga dos Campeões frente ao RB Leipzig. Também David Tavares, que já fazia parte das contas de Rui Vitória no início da época passada, mas uma lesão grave atirou-o para fora das contas do então técnico do Benfica, tem tido direito a alguns minutos de jogo com Lage e vem mostrando as credenciais que o apontam com uma das mais recentes jóias dos encarnados.

Os mais recentes jogos dos encarnados na Liga dos Campeões (frente ao RB Leipzig) e ontem contra o Vitória de Guimarães para a Taça da Liga mostram bem a aposta que o Benfica procura fazer nestas 'jóias' formadas em casa.

Conquista da Youth League serviu de porta de entrada aos jovens do FC Porto

Os clubes portugueses têm aproveitado estes jogos de menor dificuldade para lançar as suas jovens promessas e o FC Porto parece começar a aderir a uma 'moda' que pode dar frutos num futuro próximo. Os 'dragõezinhos' conquistaram na época passada a UEFA Youth League, a Liga dos Campeões de juniores, e o também o campeonato nacional de juniores, títulos que quase 'obrigaram' a administração portista a olhar com olhos de ver para os jogadores formados nas escolas do Olival.

FC Porto-Chelsea
A festa dos jovens dragões créditos: DR

Desde a época de 1999/2000 que o plantel do FC Porto não tinha tantos jovens formados no clube na equipa principal. Em 26 jogadores aos comandos de Sérgio Conceição, oito vêm do Olival. Este número só é batido pela época de 1999/2000: em 29 jogadores, 10 foram formados no FC Porto (Jorge Costa, Secretário, Domingos, Hilário, Vítor Baía, Rui Barros, Nélson, Romeu, Folha e Ricardo Sousa).

Além da presença no plantel, os jovens jogadores têm também boas hipóteses de alinhar em jogos teoricamente mais fáceis. Dos oito ‘made in’ FC Porto, apenas dois ainda não somam minutos na equipa: Tomás Esteves e Mbaye jogam pela equipa B enquanto aguardam pela oportunidade de se estrearem aos comandos de Conceição. Sobre o jovem lateral de 17 anos há a ressaltar o facto de Esteves se ter tornado no mais jovem representar a Seleção portuguesa de sub-21 neste século, ultrapassando nomes como Cristiano Ronaldo, João Félix e Rúben Neves.

Além do caso de Romário Baró, que já é titular, Fábio Silva tem sido presença assídua no banco da equipa tendo prioridade sobre Aboubakar.

O jovem Fábio Silva é, muito provavelmente, um dos jogadores em que os azuis e brancos mais depositam as suas esperanças. O avançado, que ontem foi lançado a titular por Sérgio Conceição na partida frente ao Santa Clara, tornou-se no mais jovem titular da história do FC Porto, com 17 anos, dois meses e seis dias.

Fábio Silva torna-se no mais jovem de sempre do FC Porto a jogar na UEFA
Fábio Silva torna-se no mais jovem de sempre do FC Porto a jogar na UEFA créditos: MIGUEL RIOPA / AFP

O internacional pelas camadas jovens de Portugal tem vindo a quebrar recordes nos portistas e já tinha entrado para os anais do clube azul-e-branco, ao ser o jogador mais jovem de sempre do FC Porto a jogar nas competições europeias. Fábio Silva entrou para os últimos dez minutos, na vitória por 2-1 sobre o Young Boys, da primeira jornada da fase de grupos da Liga Europa.

E, antes disso, tornou-se também no mais jovem de sempre do FC Porto a jogar principal escalão do futebol português, com 17 anos e 22 dias, quando foi lançado na derrota por 2-1 em Barcelos com o Gil Vicente, na primeira jornada da I Liga.

Por fim, Diogo Costa e Diogo Leite passaram a ter oportunidade para ganhar mais espaço na equipa depois dos empréstimos de Vaná e Osório, com o guarda-redes à espera das taças para acrescentar minutos na equipa principal. O guardião foi, inclusive, titular na partida frente ao Santa Clara e o defesa-central marcou o único golo do encontro.

Aposta na juventude não se resume a Portugal, e pela Europa fora já existem muitos casos de sucesso

A jornada de futebol de ontem na Europa ficou marcada por muitos jogos das taças, mas também de outros campeonatos. Em Inglaterra, por exemplo, jogou-se os 16 avos de final da Taça da Liga inglesa e os clubes britânicos optaram por rodar, e muito, as equipas iniciais.

O Liverpool, por exemplo, aproveitou para dar descanso aos habituais titulares e lançar no encontro frente ao MK Dons uma praticamente formada por jovens da 'cantera' e um dos que esteve em maior evidência foi Harvey Elliott, de 16 anos, que se tornou o jogador mais jovem a iniciar uma partida competitiva pelos 'reds'.

O avançado, que representava o Fulham, chegou a Anfield Road neste mercado de verão, mas já tinha entrado para a história ao estrear-se no principal campeonato inglês a 4 de maio deste ano, numa visita ao Wolverhampton, com 16 anos e 30 dias. Elliott fez a sua estreia profissional aos 15 anos, num jogo da Taça da Liga inglesa, contra o Millwall, da segunda divisão, em setembro de 2018.

Harvey Elliott com a camisola do Liverpool
Harvey Elliott com a camisola do Liverpool créditos: DR

Harvey Elliott deslumbrou na partida de quarta-feira mas foi o defesa-central holandês Ki-Jana Hoever, de 17 anos, que estabeleceu o resultado final, marcando o seu primeiro como sénior na sua segunda aparição na equipa principal dos 'reds'.

Em Old Trafford, também se fez história. O Manchester United, que sentiu dificuldades perante o Rochdale, da ‘League One’, viu o jovem Mason Greenwood marcar o golo dos ‘red devils’, aos 68 minutos, ele que já havia marcado na vitória para a Liga Europa frente ao Astana. Do lado da equipa do escalão secundário, Luke Matheson também teve direito a escrever o seu nome na história pois com apenas 16 anos consegui marcar no mítico estádio de Old Trafford, ele que até teve de faltar a um dia de escola para participar no encontro.

Nota ainda para Eduardo Camavinga. Nascido em 2002 e com apenas 16 anos — completa 17 em novembro –, o jogador angolano chegou à equipa principal dos franceses do Rennes no final da temporada passada, mas já faz estragos no campeonato francês. O médio já foi eleito o jogador do mês de agosto e tornou-se o mais jovem de sempre a vencer o prémio.

Em Espanha, o nome de Ansu Fati já não passa despercebido aos adeptos do Barcelona. Nascido na Guiné-Bissau em 31 de dezembro de 2002, Anssumane Fati tornou-se no segundo jogador mais jovem a envergar a camisola ‘blaugrana’, com 16 anos, nove meses e 25 dias, depois de Vicenç Martínez Alama, na época de 1941/42, que se estreou aos 16 anos e 280 dias.

Em 31 de agosto, Ansu Fati tornou-se em Pamplona no jogador mais jovem a marcar pelo Barcelona na Liga espanhola, com 16 anos e 304 dias, destronando o hispano-sérvio Bojan Krkic e o ‘astro’ argentino Lionel Messi.

Também no país vizinho, o Real Madrid venceu o Osasuna com dois golos de jovens. Os brasileiros Vinicius Junior, de 19 anos, e Rodrygo, de apenas 18, marcaram os golos da vitória dos merengues.

Já no jogo entre o Valência e Getafe, o jovem sul-coreano Kangin Lee tornou-se no estrangeiro mais jovem de sempre a marcar pelo Valencia na Liga espanhola e o terceiro novo de sempre na história do emblema 'che'.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.