O Marítimo entrou bem e foi a melhor equipa nos primeiros 45 minutos, mas desperdiçou duas boas oportunidades e permitiu, na segunda metade, que a União de Leiria crescesse e fizesse o suficiente para vencer, embora tenha saído do Magalhães Pessoa com o terceiro empate consecutivo na Liga.

A equipa de Manuel Fernandes voltou a demonstrar dificuldades na finalização e resta-lhe a consolação de ter contabilizado um ano sem derrotas no seu recinto.

Tanto Manuel Fernandes como Carlos Carvalhal encararam a partida com mais precauções que o habitual e entraram em campo com sistemas definsivos que compreendiam três centrais.

Só que se o Marítimo conseguiu assim anular os homens mais avançados da casa, Carlão e Cássio, para a União de Leiria a presença de um único ponta-de-lança para marcar, Babá, criou complicações.

Como recuo de um elemento para a defesa, o meio-campo leiriense ficou curto e o Marítimo revelou-se a equipa mais perigosa numa primeira parte desinteressante e lenta, acusando os jogadores a temperatura de 35 graus.

Panandetiguiri, o ala da União de Leiria, ainda criou o primeiro lance de perigo aos 20 minutos, num cruzamento longo demais que só parou na barra da baliza de Peçanha.

Depois, quase só se viu o Marítimo rondar a baliza de Djuricic: aos 25 minutos, Babá obrigou o sérvio a esticar-se para evitar o golo e, sobre o intervalo, um remate cruzado de Kanu passou a centímetros do poste.

Manuel Fernandes percebeu o equívoco e reorganizou a equipa para a segunda parte, passando para 4-4-2 com Panandetiguiri a "trinco".

A União de Leiria começou a subir no terreno com melhor desenvoltura e logo a abrir o segundo tempo Carlão fugiu à defesa adversária e atirou às malhas laterais da baliza de Peçanha.

Mas a ineficácia do ataque voltou a trair a União de Leiria - daí que Manuel Fernandes espere a chegada de mais um avançado segunda-feira.

No lance de golo mais flagrante, aos 65 minutos, Cássio conseguiu o que parecia impossível: Pateiro lançou Hugo Gomes, o ala direito cruzou para o avançado brasileiro que sozinho diante da baliza, na pequena área, deu o golo como feito e rematou ao lado.

O Marítimo tentou reequilibrar o jogo com as entradas de Djalma e Pitbull, mas a União de Leiria, sempre pelo lado esquerdo, construiu os lances de melhor qualidade.

Até ao final, Ouattara, com um remate que passou muito perto da baliza de Peçanha, foi o único a causar perigo. A União de Leiria ainda tentou a vitória nos instantes finais, ao passo que o Marítimo foi mais bem sucedido: passou a segunda parte a defender o empate e garantiu-o.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.