Dois dias depois da final do US Open foi a vez do campeão masculino do US Open, o sérvio Novak Djokovic, igualmente castigado no passado pelo árbitro luso, reagir ao dizer que o castigo não deveria ter sido tão duro.

"Podia ter sido diferente, mas não mudou o rumo da partida. Na minha opinião talvez tenha sido desnecessário. Todos temos as nossas emoções, principalmente quanto lutamos por um título do Grand Slam", disse.

Ainda assim, o terceiro jogador do ranking discorda que haja tratamento diferente dos árbitros para homens e mulheres.

“Não vejo as coisas da mesma forma do senhor (Steve) Simon. Realmente não. Acho que homens e mulheres são tratados desta ou daquela forma dependendo da situação. É difícil generalizar as coisas, realmente. Acho que não é necessário haver este debate”, concluiu Djokovic.

As declarações do tenista sérvio surgem na sequência de um comunicado da WTA, assinado pelo diretor Steve Simon, que defende Serena Williams.

Recorde-se que depois de ter perdido a final do US Open para Naomi Osaka, Serena chamou "ladrão" e "mentiroso" a Carlos Ramos, depois de ser advertida pelo árbitro português por alegadamente receber instruções do seu treinador Patrick Mouratoglou.

Depois disso, a tenista norte-americana voltou a falar do assunto e alegou que "há algo de sexista" na atitude de Carlos Ramos. A discussão com o árbitro português saiu cara a Serena Williams que acabou por ser multada pela Associação de Ténis dos Estados Unidos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.